Somos uma geração avessa a manter uma rotina

Semana passada completei 10 posts em sequência aqui no blog. Yey!!! \o/

Pois é! Já são 5 semanas seguidas com posts toda terça e quinta (então anota aí na agenda pra não esquecer os dias), e confesso que fiquei bastante surpreso com meu próprio desempenho. Não pelo blog em si, mas com a minha capacidade de manter uma rotina por tanto tempo em algo que não seja minha atividade principal.

Quem me conhece há um tempo sabe dos meus problemas em manter a constância na produção de conteúdo. É realmente difícil manter uma rotina dessas quando você tem outras coisas grandes na sua vida – como uma empresa para gerenciar, por exemplo.

Ano passado tentei dar um novo passo nessa área e gravar vídeos para o YouTube (que por sinal curti pra caramba). E, apesar de ser um processo muito legal de gravar os vídeos, a edição acaba me tomando um tempo que, no estágio atual da minha vida, é muito cronometrado. Mas calma que pretendo voltar. Preciso organizar uma rotina em que consiga dar conta disso. Talvez gravar por temporada, não sei ainda (comentem aí o que vocês acham sobre isso).

E é justamente sobre isso que queria conversar hoje; um problema que eu percebi ser muito forte na nossa geração: a inconstância nas atividades. Já percebeu isso? É incrível como temos dificuldade em começar algo e dar continuidade, manter uma rotina.

Minha antiga visão sobre a rotina

Sempre achei rotina um saco – não vou mentir. Para mim rotina sempre foi sinônimo de acomodação. Se você tem uma rotina é porque não quer sair da sua zona de conforto e prefere ficar no seu próprio mundinho repetindo as coisas de sempre.

Com o tempo percebi que na verdade, assim como muitos outros jovens, temos um grave problema de confundir rotina com acomodação. Pois é! Existe uma linha bem tênue entre essas duas coisas. Mas aprendi que elas são bem distintas – uma coisa pode gerar a outra, mas ainda assim são diferentes.

A rotina em geral é um processo que serve para repetirmos algumas atividades que aparentemente são fundamentais para a nossa vida – ou que julgamos serem importantes para nós. Logo, esse processo vai ser diferente para cada pessoa, já que cada um de nós tem diferentes objetivos pessoais e profissionais.

Podemos ter uma rotina de ir à academia diariamente, ir ao cinema semanalmente, almoçar na casa dos pais todo domingo, sair com os amigos na sexta, ou escrever posts pra o blog toda terça e quinta.

Porém, quando uma rotina é repetida por muito tempo, ela pode começar a perder o seu real significado e você acaba passando por fazê-la de forma mecânica. É nesse momento que vem o sentimento de acomodação.

Manter uma rotina pode ser difícil e chato, mas manter-se acomodado é pior ainda.

Já me peguei fazendo uma mesma tarefa tantas vezes que em um determinado momento percebi que eu não tinha mais a mesma motivação com ela. Mas como já fazia aquilo por muito tempo, achei mais prático manter a rotina do que tentar fazer algo diferente – me acomodei. Quem nunca né?

Minha nova visão sobre a rotina

Hoje, com o estilo de vida que tenho – gerenciando a própria empresa – percebi o quão importante é ter uma rotina, por mais simples que seja. Inclusive falei no Vamos Empreender sobre como eu detestava ter uma rotina, e como mudei meu pensamento já que queria manter minha empresa viva por alguns – muitos – anos (confere aqui o post completo).

A questão é que para atingirmos nossos objetivos de vida é necessário mantermos algum tipo de rotina. Se você quer ter uma vida saudável, vai ter quer praticar atividades físicas com certa frequência e mudar sua alimentação; se você quer ter um negócio de sucesso, vai precisar manter-se atualizado sobre o mercado e organizar o fluxo de caixa ao menos semanalmente; se você quer ter uma carreira internacional, vai ter que estudar alguma outra língua algumas vezes por semana. E por aí vai.

Manter uma rotina pode ser difícil e chato, mas manter-se acomodado é pior ainda. Por isso crie uma rotina com base no que você deseja alcançar, e se perceber que está começando a se acomodar, mude. Não espere esse sentimento te dominar por completo.

Comenta aí o que você acha das rotinas. Já tentou manter alguma? Deu certo, ou deu errado? E para manter a rotina: nos vemos quinta com outro texto meu por aqui. o/

Imagem: Cubo Coworking – Jorge Wanderley

Anúncios

4 comentários sobre “Somos uma geração avessa a manter uma rotina

  1. Marcus Antonius disse:

    Sobre a parte do youtube, curtia os vídeos que você gravava lá. Uma dica que eu já vi em outro canal é, escolher um dia pra gravar vários vídeos de uma só vez.

    Daí da pra fazer vários vídeos e acho que não perder tanto tempo. 😉

    • Jorge Wanderley disse:

      Pow Marcus! Q massa que curtia.
      E essa ideia de gravar alguns vídeos de uma vez era como eu fazia xD
      A parte de gravar é até fácil (apesar de não ter os equipamentos). O mais puxado é a edição que toma muito tempo.

      Mas estou tentando resolver isso já. Espero poder voltar a postar vídeos por lá 😉

      Abração!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s